quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

LAVE A BOCA PARA FALAR DE NIETZSCHE

 
Atenção: Se o seu conhecimento de Nietzsche se resume a resenhas de revistas, a livreto de chororo do filósofo não vou linkar aquela bosta de livro, jornais ou as impressões causadas pela mídia para fazer deste filósofo algo POP e “interessantérrimo” (entenda esta última palavra com acentuada afetação homossexual) , este artigo é para você. Se além-homem (você deve conhecer como super-homem, é mais fashion), eterno retorno, vontade de potência, niilismo lhe causam fissura e só fazem lhe chamar mais a atenção para o filósofo que você acreditada de “orelhada” que foi o precursor do nazismo você é estúpido e medíocre este artigo é essencial para sua parvorice.

Moro em minha própria casa.
Nada imitei de ninguém.
E ainda ri de todo mestre,
Quem não riu de si também.
Friedrich Nietzsche

Este artigo para desgosto daqueles que citam Nietzsche para parecer inteligentes e exótico na mesa do bar, abordará brevemente o legado de seus escritos para a epistemologia, tema que não serve de cantada para nenhum tipo de mulher. O que já é para os leitores parvos e pops minha primeira contribuição com seu intendimento curto ou distorcido:

Dentre as contribuições de Nietzsche para a filosofia uma das mais importante foi para a teoria do conhecimento.

Falando brevemente de teoria do conhecimento, passamos novamente a um breve resumo: A teoria do conhecimento, se interessa pela investigação da natureza, fontes e validade do conhecimento. Entre as questões principais que ela tenta responder estão as seguintes. O que é o conhecimento? Como nós o alcançamos?


Apesar de todo avanço no campo da epistemologia e seu esgotamento em Kant, muito pouco foi feito além de categorizar as correntes sobre como o conhecimento é possível (dogmatismo, ceticismo, empirismos, racionalismo, realismo, idealismo...) e fundamentalmente todas as questões traziam como essencial o mesmo ponto de partida: o ser, o ente e a verdade. Entendendo aqui não somente suas definições, mas que existe “a verdade” e o ser por um meio definido poderia atingi-la.

Nietzsche atento ao fato de que a verdade sempre foi parte de um domínio inscreve o conhecimento numa perspectiva fisiológica e genealógica. Desafia o costume e subverte o sentido do ato de conhecer para não mais simplesmente conhecer, mas para dominar.

Neste sentido seu pensamento se aproxima e expande para além do conceito de Marx para Ideologia. A verdade é apenas uma simplificação da complexidade da vida em nome de uma necessidade prática ou de um grupo dominante. A reconciliação de Marxs e Nietzsche acontece em Ideologia Alemã e Genealogia da Moral.

Os conceitos de ser, ente, verdade, alma, são duramente atacados e esvaziados. Para este conceito instaura o devir, os centros de força, vontade de potência, alma como interiorização dos instintos. Para o finalismo opõem o eterno retorno. Não são temas para apenas um artigo.

O legado “daquele que filosofava a golpes de martelo” para a epistemologia foi o Perspectivismo. Nietszche abre a filosofia para um novo cenário, onde florescerá o existencialismo, a fenomenologia. A problematização da filosofia é tirada do colo de Deus e da Razão e colocada diante do Homem.

Além do bem e do mal, além da verdade e da mentira, além de si mesmo, basta querer...

Este artigo foi escrito em um acesso de fúria que me acomete frequentemente ao encontrar aqueles que só dizem parvolice a respeito deste que é um dos mais importantes nomes da filosofia.

_________________________________________________________

Brevíssima resenha sobre Nietzsche (fragmentado do verbete na Wikipédia em língua portuguesa)

Friedrich Wilhelm Nietzsche foi um influente filósofo alemão do século XIX.

Nascimento: 15 de Outubro de 1844 - Röcken, Alemanha
Morte: 25 de Agosto de 1900 (55 anos) - Weimar, Alemanha
Nacionalidade: Alemã
Ocupação: Filósofo e filólogo
Obra máxima: Assim falou Zaratustra
Escola/tradição: Filosofia Contemporânea, Filosofia continental, Romantismo
Principais interesses: Epistemologia, Ética, Ontologia, Filosofia da história, Psicologia
Idéias notáveis: Morte de Deus, Vontade de Poder, Eterno retorno, Super-Homem, Perspectivismo, Apolíneo e Dionisíaco
Influências: Heráclito, Platão, Montaigne, Spinoza, Kant, Goethe, Schiller, Schopenhauer, Heine, Emerson, Poe, Wagner, Dostoiévski
Influenciados: Rilke, Jung, Iqbal, Jaspers, Heidegger, Bataille, Rand, Sartre, Camus, Deleuze, Foucault, Derrida, Sigmund Freud
Veja mais aqui.

Para uma breve introdução a problemática da epistemologia recomendo o artigo na wikipedia.
Para introdução a alguns dos conceitos chaves veja o tópico no orkut  que inicie e que será constantemente atualizado.
O artigo inconcluso, falta adaptar as folhas de estilo, sobre vontade de potência na wikipédia também é de minha autoria.

Leia também: A morte de Deus!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Fiéis "evangélicos" são assaltados mesmo sendo servos do deus do impossível e milagrento

Igrejas "Evangélicas" daquelas que vivem a pregar maravilhas e milagres: ressurreições nas selvas africanas, anjos que socorrem pastores, cura de AIDS, câncer, etc... Foram roubadas e seus fiéis assaltados. Pelo menos 4 igrejas foram roubadas em 2009 em Praia Grande e seus fiéis assaltados nas idas e voltas de seus cultos.

Na reportagem que você pode assistir clicando aqui, (está na última parte do bloco - para assistir ande com o cursor do vídeo até quase ao final do bloco jornalístico) poderá ver "evangélicos" reclamando da falta de segurança, de assaltos e violências contra suas igrejas e pessoas. Mas é uma incoerência crer em milagres, falar com os anjos, orar em línguas, ser curado de AIDS, câncer e ser assaltado ao sair do culto. Deus só protege durante o culto? Depois do culto ele se esconde? O fiel vai ao culto e lá o pastor lhe fala que se ele crer em seu discurso, deus vai lhe dar prosperidade, dinheiro. O fiel acredita e fica feliz, no entanto ao sair da igreja é abordado por assaltantes. Deus além de não lhe dar dinheiro, ainda permite que servos do cão o tomem de forma violenta.

Sinceramente não entendo porque esses protestantes fundamentalistas querem proteção do Estado, se acham que o Estado é mundano e inimigo de sua fé. Creêm em milagres, em anjos, em proteção divina e no entanto querem proteção policial. Não é melhor admitir que anjos não existem do que afirmar que existem e protegem quando não protegem? Se esses cristãos pentecostais querem a proteção da polícia, está na cara que não acreditam em proteção divina, quem crê realmente não precisa ir até uma emissora de TV reclamar da falta de segurança. Eles são adeptos do seguinte ditado judaico: "Confia em Deus mas amarra teu camelo".

Isso só vem a demonstrar uma coisa: que esses pastores da teologia da prosperidade são todos uns mentirosos! O pentecostalismo apregoa milagres e maravilhas 24 horas por dia e quando os crentes precisam de deus ele não se manifesta e os pastores não fazem milagres não fazem nem um milagrezinho sequer.

Eles (os crentes) vão aos seus templos em busca de milagres, mas os milagres só existem em suas férteis imaginações, porque na realidade são tão suscetíveis de desgraças como quaisquer seres humanos.

E o pior de tudo é que mesmo sendo assaltados, continuarão a crer nos discursos de seus pastores, continuarão a crer em milagres. É o milagre da estupidez humana!!!!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

O Universo - Os gigantes do espaço

Mais um documentário show de bola!

History Channel - Brasil
Documentário: "O Universo: Os Gigantes do Espaço"










O tamanho real dos corpos celestes

A astronomia é algo fascinante, ela nos mostra o universo tal qual é. A Terra comparada com outros palnetas e com o Sol e o nosso Sol comparado com outras estrelas nada é. A astronomia mostra a nossa insignificância no universo. E mesmo assim nosso planeta é algo especial, porque até onde sabemos é o único que abriga vida e vida inteligente.

Antes que termine o ano de 2009, quero deixar minha pequena contribuição para o Ano Internacional da Astronomia.




sábado, 26 de dezembro de 2009

De olho no céu

A Revista pesquisa Fapesp disponibizou os vídeo do filme Eyes On The Skies (De olho nos céu).
Uma história do telescópio e sua evolução. Emocionante!!!

"O filme De Olho no Céu (Eyes on the Skies) é uma produção da União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês) e da Agência Espacial Europeia (Esa) feita especialmente para comemorar os 400 anos da invenção do telescópio e o Ano Internacional da Astronomia, celebrado em 2009. O áudio do vídeo, cuja reprodução foi autorizada por seus criadores, está em português".

Eu asisti ao documentário e adorei, não tenho palavras. Realmente muito bom.
Seguem os vídeos que também podem ser vistos, clicando na palavra Fapesp que está linkada.

Boa viagem pelo universo.















Mulheres agredidas no meio "evangélico"

*


Que o protestantismo pentecostalista é machista, creio que não é novidade para ninguém, até porque a literatura que o crente lê é pura e simplesmente vetero-testamentária. O machismo já começa no Gênesis, afirmando que a mulher derrubou o homem, depois com a putaria bigamia/poligamia dos patriarcas. Por que eles podiam ter mais de uma mulher e as mulheres não podiam ter mais de um homem?

Abunda no Velho Testamento o desprezo pela mulher, e esse é um erro no qual incorreu também o apóstolo Paulo, mas de modo tênue, se comparado com a literatura do Velho Testamento. Paulo não teve como escapar disso era um homem de seu tempo.

Um crente pentecostal não tem como deixar de ser machista, já que a única coisa que lê são os livros abomináveis do Velho Testamento. Ele nunca lê a vida de Jesus Cristo, nunca viu co o ele tratava as mulheres. Jesus, elevou a figura da mulher, basta ler os Evangelhos para ver.

Enquanto os pastores falarem em Abraão, Jacó, Moisés, Samuel, Davi e outros personagens toscos do Velho Testamento as mulheres do protestantismo fundamentalista continuarão apanhando, seja porque é culpada pelo pecado de Eva, seja porque a Bíblia apóia essa iniciativa.

Não adianta fazer campanhas de conscientização, falar da lei Maria da Penha, enquanto os crentes continuarem a ler textos como esses aí do link.
Se essas mulheres que são tratadas como lixo tiverem um pingo de respeito por si mesmas cairão fora de um sistema que prega que elas são cidadãs de segunda classe.

* Engraçado que a sra. Naiá Duarte que é crente "evangélica" cita a Lei Maria da Penha contra a violência contra a mulher. Ela não cita Bíblia na qual crê para defender as mulheres das agressões que sofrem por parte de seus parceiros. Pois é, a Palavra de Deus é tão boa que nem lei tem para proteger as mulheres. Tem que se recorrer as leis dos "pagões" e "indólatras".

Papa é derrubado por mulher no Vaticano


Quando o papa ia celebrar a missa do galo, uma galinha mulher o atacou derrubando-o. Mas segundo o twiteiro Danilo Gentili: O Papa sabe que não foi o primeiro homem a cair por causa de uma mulher. Adão fez isso primeiro.

Façamos algumas considerções sobre o homem de branco e sua igreja. A igreja romana, (dita católica) acredita em milagres, graças e outras quejandas, basta ver o núemro de livrinhos devocionais publicados com rezas e preces infalíveis.

O papa é considerado um homem santo, um ser especial, que toma o chá das 5 com Deus. Mas o senhor Deus não é capaz de proteger o vigarista vigário de seu Filho. Não está escrito no salmo: "porque aos seus anjos ele mandou que te guardem em todos os teus caminhos.

Eles te sustentarão em suas mãos, para que não tropeces em alguma pedra"? (Sl 90,11-12)
Mas os anjos não apareceram para socorrer o papa, de modo que este não tropeçasse, ele não tropeçou, mas foi empurrado e caiu. O papa mesmo não crê em anjos da guarda, caso contrário não teria a guarda suiça e nem guarda-costas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Então é natal...







Mais um natal, em nada diferente dos anteriores pelos quais passei. Particularmente odeio o natal por alguns motivos:

1) Consumismo e alienação ao extremo;
2) Subversão da mensagem e dos valores;
3) Festa da família feliz;

Vamos analisar cada um dos motivos rapidamente.

1) Consumismo e alienação ao extremo: Tenho percebido que cada vez mais as festas de natal começam mais cedo, vi uma casa com enfeites de natal na segunda semana de novembro; O Natal é uma festa para se gastar sem controle.

2) Subversão da mensagem e valores: O natal deveria celebrar o nascimento de Jesus, ao menos para os cristãos. O nascimento de Jesus que afirmou ter vindo para evangelizar os pobres, libertar os cativos e curar os enfermos. (Lc 4,17-21)
O natal hoje é um natal hedonista, natal para ricos, felizes, bonitos e saudáveis. Jesus, penso eu, não deve gostar de ser celebrado desse modo, como se ele tivesse vindo para os opulentos deste mundo, como se tivesse vindo para oprimir ainda mais os pobres. Jesus não é celebrado, mas sim a figura mítica e patética do papai noel. Aliás, as crianças conhecem mais o velho gordo do que o menino Jesus. O problema é que Jesus veio para os pobres e o papai noel veio para os ricos, sim para os ricos, é ele que ajuda a encher os cofres dos grandes comerciantes.

3) Festa da família feliz: Quantas e quantas famílias brigam e se odeiam o ano inteirinho, mas chega o natal, desculpam-se uns aos outros e confraternizam. Passadas as festas de fim de ano, começa tudo outra vez. O natal é uma ótima oportunidade para praticar a hipocrisia.

São esses motivos que me levam a sentir ojeriza por essa festa, que nada mais é do que a festa do consumismo e da hipocrisia. E como não sou nem consumista nem hipócrita...

A propósito eu celebro o natal sim, mas no dia 07 de janeiro. Aos cristãos sinceros que celebram o natal Feliz Natal. Aos que celebram por que tem que se celebrar, só lamento.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Dinheiro não se come imbecil...

 

           1º ponto
          As Revoluções Burguesas mais importantes são a Revolução Gloriosa (na Inglaterra) em 1688, a Revolução Americana (EUA) em 1776 e a Revolução Francesa (1789). A Revolução Industrial, ainda que incluída no contexto das Revoluções Burguesas não se equipara às primeiras por faltar-lhe o componente de transformação político-institucional. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
           Muitas revoluções foram financiadas e incentivadas pela burguesia. Somente quando o estado ameaça sua proteção e lhe causa dano esta classe se mexe, provocando até hoje mudanças radicais nos planos econômico, político e sociais do mundo todo.
            2º ponto
            Hoje e ontem vimos a notícia que segue resumidamente.
            O número de mortos pelas tempestades de inverno por toda a Europa subiu hoje para pelo menos 80 pessoas. O fenômeno também levava caos ao sistema de transportes, deixando dezenas de milhares de pessoas descontentes pela paralisação nos trens de alta velocidade entre a Grã-Bretanha e o continente, sistema operado pela companhia Eurostar. Muitos foram afetados pelos cancelamentos das viagens entre Londres e Paris. Centenas de voos por todo o continente não decolaram, e houve ainda acidentes e grandes cortes no fornecimento de energia. Origem: Correio do Povo.
            
            Concluíndo: 
            Eu sei que muitos vão julgar sadismo, mas eu posso ousar dizê-lo, afinal eu sou contracultural, e minha posição de marginal me exime de ser censurado de forma demais severa pelo que digo; é como o bônus de não censura que se dá ao louco que anda nú pela rua e apenas se diz: ah, é apenas um louco! E o que eu tenho a dizer é: 

Me deu grande prazer de ver esta notícia.

            Somente com o apoio da classe média, e sua mobilização as classes menos abastadas poderão mudar o quadro das discussões climáticas. Somente tirando o conforto e lhes ferindo na carne, atrasando seus voos de lazer, a classe média entrará na briga contra os ensandecidos super-ricos e assim poderemos discutir seriamente as questões emergências de nossa civilização.

Pobres só não vencem na vida porque são vagabundos!

Você pode assistir a versão do portal G1:



ou a do youtube:



O Globo Repórter da última sexta-feira, falou de pessoas que venceram na vida. Contou e mostrou histórias muito bonitas. E qual a finalidade disso? Seria mostrar ao telespectador que ele, mesmo sendo pobre pode vencer na vida? Que a maioria das pessoas só não vence porque não tem força de vontade, garra, enfim espírito empreendedor? A Globo quis ajudar seus telespectadores, ao mostrar o menino catador de papelão que se tornou engenheiro?

Não é o que me parece. Essa história a meu ver tem o propósito de humilhar aqueles que não conseguiram galgar bons postos na sociedade. Esse programa soou aos meus ouvidos assim: "Veja você pode vencer mesmo que seja catador de papelão, carrinheiro, etc... Se não vence é porque é vagabundo, e sendo assim merece viver na merda no lixo".

A rede Globo mostra soluções mágicas para seus telespectadores. A Globo quer vender a ideia de que qualquer miserável pode superar sua condição e vencer na vida, que as pessoas não precisam do governo, precisam sim é confiar em si mesmas e "correr atrás do prejuízo". A Globo deseja inculcar em sua clientela que não importa suas condições socioeconômicas, o que de fato importa é ter o espírito empreendedor. Tudo isso é muito bonito, mas é conversa mole para boi dormir, e a Globo sabe disso.

Sem querer querendo, a Globo prega o darwinismo social mostrando que essas pessoas que nasceram em condições adversas conseguiram superar os obstáculos da vida, e os que não conseguiram é porque são preguiçosos (isso disse nas entrelinhas, para bom entendedor meia palavra basta) e por isso merecem estar onde estão. Só os mais fortes vencem.

Outra ideologia pregada no programa da rede Globo é o mito do individualismo, que as pessoas vencem por si sós. Na verdade esta é uma tática contra movimentos socialistas, para que os trabalhadores fiquem desunidos, pensando que podem vencer por si sós, e subir de classe, deixando de ser proletário para fazer parte da burguesia.

Com isso não quero dizer que as histórias mostradas no programa Globo Repórter não sejam verdadeiras, não duvido de sua vericidade. Duvido das intenções da Rede Globo ao veicular essas histórias. Casos como o do ex-catador de papelão são casos isolados que não refletem a realidade da sociedade. Também não sei até que ponto o engenheiro que teve vida dura foi ajudado. O que sei, é que ninguém vai vencer na vida tendo por ideologias: o empreendedorismo e o individualismo.
Mantendo as massas presas a essas ideologias nefastas, elas nunca poderão fazer uma revolução socialista. Até, porque para as massas socialismo soa como sinônimo de vadiagem. A Globo não oferece uma solução real, mas uma fórmula mágica que não funciona no mundo real, mas é perfeita para alienar os incautos.

Não converse enquanto come. Isso só vale para répteis!





Não é uma felicidade para você não ficar surdo nas horas das refeições? Certamente que é. Você ouve enquanto mastiga devido a evolução que os ouvidos dos mamíferos sofreram. Paleontólogos encontraram na China fóssil de animal que ajuda a explicar a evolução dos ouvidos, o animal extinto foi batizado de Maotherium Asiaticus, ele viveu onde hoje é o noroeste da atual China. O animal era muito parecido com esquilos e o que chama a atenção nele, são os ouvidos que tem certa semelhança com os ouvidos dos mamíferos atuais. Na verdade, seus ouvidos são uma forma intermediária entre os ouvidos dos répteis e os ouvidos dos mamíferos. Seus ouvidos são meio répteis e meio mamíferos.


Os ouvidos dos mamíferos são os mais desenvolvidos dentre todas as espécies. Se não houvesse essa evolução dos ouvidos dos mamíferos, certamente ao comermos ficaríamos momentaneamente surdos. Nos répteis os ossos dos ouvidos estão ligados à mandíbula, enquanto nos mamíferos os miniossos (bigorna, martelo e estribo) estão separados.


A evolução dos ouvidos foi essencial para que os mamíferos pudessem sobreviver naquele mundo e também no mundo atual. Segundo estudiosos, os mamíferos que conviviam com os dinossauros saíam à noite para caçar, e para isso a evolução dos ouvidos foi fundamental para captar sons de insetos e de perigos iminentes.


Não existe nada mais fantástico do que a evolução. Não precisamos de explicações mirabolantes para entender o mundo físico. Quanto ao mundo sobrenatural nada posso falar porque nunca estive lá, penso que exista, mas sei que isso é mera especulação, metafísica, mas concedo-me o direito de especular.


terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Os fundamentalistas e o cursos de letras

Como professor tenho constatado coisas muito estranhas no universo da educação. Hoje vou falar de uma delas. Hoje em dia muitos protestantes fundamentalistas fazem curso universitário e nada perdem de suas superstições, continuam tão ignorantes quanto eram antes de seus cursos, com uma diferença: são idiotas diplomados.

Os protestantes fundamentalistas tem uma grande predileção pelo curso de letras, e isso tem uma razão de ser. Letras trabalha com literatura, literatura ==> livros = Bíblia. Não há nada melhor para se conhecer e defender melhor a Bíblia que o curso de letras. Um beletrista pode defender a Bíblia como literatura, até porque a Bíblia é um clássico quer queiramos quer não.

Conheço muitos professores de língua portuguesa e em sua maioria são protestantes fundamentalistas. Triste coisa, saber que o curso de letras está infectado por fanáticos, que desejam fazer da literatura um escudo para o livro preto. Não se vê tantos protestantes e fundamentalistas nos cursos de história, geografia, biologia, matemática, sociologia, filosofia, etc...

Se o curso de letras ainda tivesse a possibilidade de solapar não digo a fé, mas as superstições desses fanáticos, seria ótimo. Mas pelo que tenho visto e ouvido, os fundamentalistas ou nada aprenderam ou o curso de letras é inócuo. Prefiro acreditar que os fundamentalistas nada ou quase nada aprenderam.

Como eu gosto muito de literatura (por pouco não cursei letras) procuro sempre conversar com os professores de literatura. Mas que ingrata surpresa, nada sabem de literatura e se por acaso sabem algo é porque aprenderam no curso de letras. Esses fundamentalistas não leram a obra machadiana, não leram Lima Barreto, José de Alencar, Padre Vieira, Aloísio Azevedo entre outros. Nem vou falar na literatura universal senão vai dar merda o negócio vai feder.

Conversei com um professor de literatura, muito falador, bom de papo, que parecia ser culto e inteligente, até porque não havia tocado nem na Bíblia nem em religião. Um dia perco 90 minutos do meu sacratíssimo tempo ao entabular conversação com o supracitado cidadão. Conversa vai conversa vem falamos sobre literatura, sobre os grandes teóricos da pedagogia, da linguística, etc... Tudo ia bem, quando o "professor" falou que Piaget, Chomsky, Bakhitin e outros basearam suas teorias na Bíblia. Imaginem a minha reação. Fiquei branco, gago e de olhos esbugalhados como se tivesse vendo o diabo ou coisa parecida. O sujeito ainda teve a audácia de continuar seu discurso desavergonhado afirmando que o profeta Daniel tinha dado a ciência à Babilônia. Mui educadamente discordei do meu opositor e dei a conversa por encerrada, porque meus ouvidos não são privadas.

Ainda num outro dia o professor profeta, quis me convencer de que a Bíblia é um livro científico, o que me fez rir de sua ingenuidade. Ele pediu-me meia hora de meu tempo para provar sua tese. Acessou a internet na sala dos professores e mostrou um texto do profeta vetero-testamentário Daniel. Foi um texto sobre as 70 semanas e/ou 1260 dias. Aí o cidadão para me explicar o texto fez uma mistureba com história e bíblia e como não podia deixar de ser, falou besteiras. Disse que a tal profecia se concretizou com a fundação da Igreja Católica Apostólica Romana em 476. Pedi referências de historiadores, disse que referências não importavam, o que importava era a concretização da profecia. Só que a dita profecia não se realizou nem em 476 nem em quaisquer outras épocas. Mostrei para ele que no primeiro milênio só existia a Igreja Ortodoxa e que o papado como liderença suprema e inquestionável é uma instituição tardia. O professorzinho continuou a insistir em seu erro, e eu continuei a pedir referências e pedi para que não falseasse a história. Disse-lhe ainda que se ele quisesse me provar que a Bíblia era um livro científico, ele deveria usar um método científico para comprovar tais dados, e para isso a primeira coisa era mostrar-me uma bibliografia de historiadores insuspeitos para que eu pudesse conferir. Pedi-lhe que mostrasse um único historiador que afirmasse que a Igreja Católica Romana foi fundada em 476. Sabe que o professorzinho falou? Pesquise você na internet. Retruquei: O ônus da prova cabe ao afirmante, é você quem afirma que a Igreja do papa romano foi fundada em 476 e não eu. Enfim continuou a advogar a cientificidade da Bíblia sem método científico, ou seja, a emenda saiu pior do que o soneto. Para findar a conversa eu disse: Belo discurso mas sem provas, tudo o que você disse não passa de palavras.

Sabe de que religião é o "fessorzin?". Adventista do sétimo dia. A escola pública está uma merda! Professores fundamentalistas ensinando mitos bíblicos aos nossos alunos. Os fanáticos fizeram letras, mas continuam iletrados, isso é fato.

Proh Pudor!!!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Carta a uma nação cristã





Ontem, passei minha tarde e parte da noite lendo o opúsculo de Sam Harris, Carta A Uma Nação Cristã.
O autor sabe argumentar bem, tem um estilo cativante que prende um leitor, (li em português, não sei se em inglês difere, ou afeta o texto, creio que não) é realmente uma conversa com o leitor.
Carta a Uma Nação Cristã é bem diferente de Deus Um Delírio de Richard Dawkins, onde se vê um Dawkins quase hidrófobo, que não sabe argumentar, ao menos não com a elegância de Sam Harris.

Sam Harris em seu livro ele não chama os crentes de idiotas ou de burros, mas faz ver que suas crenças podem ser perniciosas. Ele mesmo disse na obra não ter escrito para cristãos liberais e/ou moderados mas para aqueles que são fanáticos.

O autor demonstra que o Velho Testamento com seus ensinamentos horríveis não pode ser a "Palavra de Deus", e nesse ponto concordo com o autor. Quando ele fala acerca do Novo Testamento, quando Jesus pregou o inferno eterno, seria preciso que ele recorresse ao grego língua na qual foi escrito o Novo Testamento. O que vem a ser a eternidade para Jesus? O que é o inferno na mente de Jesus? Claro, Harris leu os evangelhos na visão do pentecostal, mas isso não quer dizer que o que ele lê em inglês corresponda necessariamente ao grego. Até porque no original grego quando Jesus fala de castigo eterno ele usa kolasin aionion que significa castigo corretivo por tempo indeterminado, ou por eras de eras, visto que a palavra aion (era) está no plural e a palavra eterno mesmo, eterno que significa sem fim não tem plural em grego. Se Jesus quisesse mesmo falar em inferno eterno como querem a maioria dos estúpidos cristãos, ele usaria o termo aidios timoria que significa catigo eterno com vigança. Penso que Sam Harris deveria usar este argumento contra os cristãos fundamentalistas. Conclusão Jesus não foi esse cara mau demonstrado pelos cristãos toscos e pelo autor da Carta A Uma Nação Cristã.

Sam Harris demonstrou que a "moral cristã" nem é moral nem cristã, porque a moral deveria estar associada a empatia, ao amor pelos semelhantes. Uma moral que não se importa com a dor alheia não é uma moral, mas apenas uma convenção criada para favorecer aos caprichos de líderes religiosos.

Soube desenvolver bem o tema do aborto e das células troncos, no primeiro caso quando disse que 50% das mulheres sofrem abortos espontâneos e no segundo quando afirmou que para engenharia genética qualquer célula humana é potencialmente um ser humano. E que os cristãos só não permitem pesquisas com células troncos, graças a sua ignorância em biologia e são ignorantes por causa de suas crenças, nesse caso irracionais. Pensam que moral é agir de acordo com regras da Bíblia ou com opiniões não fundamentadas de seus líderes.

Em seu discurso Sam Harris fez um brilhante ataque ao Desing Inteligente (D.I), que é uma espécie de criacionismo mais sofisticado e tão falso quanto o criacioniosmo clássico.

Concluindo, gostei muito da leitura desse livro, isso não quer dizer que eu concorde 100% com o seu autor. Mas é bom por que ele sabe provocar sem insultar, e sabe demonstrar as falácias dos fanáticos com uma linguagem acessível a todos. Vale a pena ler a Carta A Uma Nação Cristã.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Entrevista com São Basílio Magno - parte II




Para quem quiser ler a primeira parte da entrevista, clique aqui.

DC: O que Vossa Beatitude pensa de acerca de classes e castas? O sr. sabia que aqui no Brasil ainda existe trabalho escravo, o que pensa da escravidão?
São Basílio: "Nem servo - dizem - nem senhor, mas livre. Maravilhosa estupidez e miserável audácia daqueles que falam assim! Que haverei de deplorar mais a sua ignorância ou a sua blasfêmia? Pessoas que desonram a doutrina acerca de Deus com ensinamentos de homens e se empenham em transferir para a natureza divina e inefável um costume terreno, que reconhece diferença de dignidades e não leva em conta que, entre os homens, não há ninguém escravo por natureza. Foi assim que os homens tiveram que se submeter ao jugo da servidão por opressão tirânica: por exemplo, os prisioneiros de guerra ou aqueles que foram reduzidos à escravidão pela fome...".
DC: Thomas Hobbes disse que "o homem é o lobo do homem". O que pensa a respeito disso?
São Basílio: Eu diria que os homens se parecem com peixes e eu explico o porquê¹.
"Os peixes tem diferentes hábitos alimentares, segundo sua espécie. Uns, com efeito, se alimentam de barro, outros de alga, enquanto outros se contentam com as plantas que nascem nas águas. Quanto à maioria, uns comem os outros e o menor serve de comida para o maior. Se acontecer que o que se apoderou do menor for, por sua vez, presa de outro maior, os dois irão parar no mesmo ventre.
Que outra coisa fazemos nós, homens, ao oprimir os de classe baixa? Em que se diferencia do exemplo que demos aquele que, por seu ávido amor à riqueza, esconde os fracos em seu ventre insaciável? Aquele homem possuía o que era dos pobres. Você, tomando para si o próprio pobre, faz dele parte de sua opulência.
Você tem se mostrado o mais iníquo dos iníquos e o mais avarento dos avarentos. Tome cuidado para que não tome o mesmo fim dos peixes: o anzol, a vara ou a rede. Estejamos certos de que se cometermos muitas iniquidades, não escaparemos do suplício final".
Nota:
¹Essa frase inicial não é de São Basílio, mas minha, eu a pus na boca do entrevistado para que o texto possa se encaixar perfeitamente à minha pergunta. A frase inicial foi feita apenas para dar coerência ao texto que se segue e a mesma não afeta em nada o texto do santo.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Francisco Sanches, o Descartes português



René Descartes, filósofo francês ficou conhecido por uma frase sua muito repetida e pouco entendida: "Cogito ergo sum" - "Penso, logo existo". Sentença essa que faz parte da dúvida metódica, que simplesmente mostra que se para fazer ciência é preciso não se aferrar a opiniões estabelecidas. Mas que deve se duvidar de tudo, e se duvidando de tudo pode-se fazer ciência. Exemplo claro temos no: "Penso, logo existo", uma vez que duvido de minha existência, é preciso que alguém exista, para duvidar, esse alguém sou eu. Se eu não existisse eu não poderia duvidar de minha existência, se duvido é sinal evidente de que existo.




Mas não é de Descartes que vou falar, mas de um português que o precedeu e chegou as mesmas conclusões que chegaria Descartes mais tarde. Francisco Sanches foi médico e filósofo (1550-1623).


Sanches revoltou-se com o ensino de sua época, que era um ensino imposto, inquestionável, como se o ensino fosse imutável, universal e absolutamente necessário. Era um ensino baseado na escolástica nominalista, os mestres diziam a seus alunos que podiam provar tudo através de silogismos. A questão desses mestres, era que gostavam de fraseologias vazias, que gostavam de "metafisicar", de dar significado diferente as palavras. Daí Sanches escrever o seu livro Que Nada Se Sabe, livro no qual desmontou as falácias do palavreado vazio. Demonstrou que ninguém conhece mesmo as definições com a qual nomeia um objeto. E numa parte citando Aristóteles que era a autoridade da época, demonstra que uma definição dele era diferente de uma definição dada por Cícero, aliás, Sanches defende que Cícero nesse quesito sabia mais que Aristóteles, uma vez que era orador e por isso era obrigado a lidar com as palavras e suas definições.

Para quem se interessar mais pela obra do erudito português recomendo os e-books que podem ser lidos rapidamente: Francisco Sanches e o problema da certeza e Que Nada se Sabe. Creio que vale a pena a leitura desses e-books, afinal cultura nunca é demais.

Quantos filósofos há desconhecidos de nós, filósofos que se perderam entre a multidão de outros pensadores, que muitas vezes nem eram brilhantes. E esses que são anônimos tiveram pensamentos elevados e precisam sair do anonimato para o bem daqueles que amam o saber.







quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Batata-quente - 1ª Campanha do Sindicato


Vou pagar o honroso convite de meu amigo Fernando (Felix) para este blog passando a batata-quente do sindicato. E como este é mais um blog escrito que qualquer outra coisa, irei fazer um breve texto, ou se preferirem o neologismo ruim e cacofônico, um textículo.


A batata


A batata tem história, como tubérculo é originária dos Andes peruanos e bolivianos. 


Como agente da história humana foi reserva dos Irlandeses contra o massacre inglês. Enquanto as tropas inglesas incendiavam trigais e matavam porcos, a  batata resistia abaixo do solo alimentando os revolucionários. 


Os nutricionistas dizem que em um caso de urgência qualquer a batata e um pouco de leite poderia suprir todas as necessidades de nosso organismo. 


Na arte, dizem que Van Gogh cortou a orelha por causa de uma batata mal feita por sua cozinheira.... Ok, não vou exagerar! Na verdade, ele retratou o cultivo da batata numa de suas obras mais famosas, na qual dois camponeses colhem a batata na plantação.


Na língua portuguesa, a batata tem como seu profeta e messias Nelson Rodrigues que imortalizou a expressão. Para este dizer "é batata" pode significar que algo é lógico, sem dúvida alguma, certo de acontecer, então dava fumos a batata de que uma traição de longa data era certa, que um palpite no jogo de bicho é acertado, ou mesmo a parte de arremate dramático de um aforismo dito em um botequim dos mais ralé.


"A batata está assando" significa jura de que o mal será feito, que as coisas não terminaram bem, é só questão de tempo.


"Vai plantar batata" é uma interjeição para que o outro abandone o que faz e se afaste se não quiser ver sua batata assar.


"Passar a batata-quente" é livrar-se um problema, de uma dificuldade, ou situação embaraçosa, um desafio.


Como podemos ver é ilustre a figura que está passando entre os associados...
Assim termino minhas linhas. 
Espero que a contento.



segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Quando Cronos devora seus filhos




Ultimamente estou com falta de tempo e por isso não tenho postado nada nesses últimos dias. Fechar notas, corrigir trabalhos, lecionar, higienizar meus livros, participar de congressos, eleições sindicais, não é fácil, sinto que o meu tempo encurtou.

Não foi à toa que Cronos foi associado ao tempo, uma vez tal e qual um novo Cronos, o tempo devora insensivelmente os seus filhos. E nós somos mais infelizes do que os filhos do primeiro Cronos, porque não temos um Zeus para que esse último cronos, nos devolva o tempo perdido, a saúde perdida enfim a vida dos que já morreram.

Assim é que nosso pai o tempo (Cronos) devora nossa infância, nossa adolescência, nossa maturidade e nossa saúde. Ele não nos devora de uma vez só, mas de forma homeopática, isto é, aos poucos.

Do nome desse deus surgiram os nomes cronologia e o cronômetro, o primeiro se refere ao estudo das datas e a ordem dos acontecimentos; o último se refere ao relógio que marca os segundos, centésimos e milésimos. O cronômetro mostra-nos como o tempo é implacável e como nos "rouba" o tempo todo.

Como os amigos já sabem Cronos é o nome grego para Saturno (deus romano). E por falar em Saturno, até o dia nesse planeta é curto, dura apenas 10 horas, 39 minutos e 24 segundos terrestres. Certamente que se vivêssemos em Saturno o dia seria ainda mais corrido e a falta de tempo seria ainda maior. Por outro lado quem é que não gostaria de viver 70 anos de Saturno aqui na Terra? Um ano em Saturno tem a duração de 29,46 anos terrestres.

Gostaria de falar mais sobre o tempo, mas falta-me tempo. Ainda hei de falar mais sobre o tempo, mas para falar do tempo é preciso ter tempo. Até a próxima.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Criador e Criatura - Um Princípio


É necessária uma explicação para o texto que se segue, ou parecerá ao leitor desavisado sem sentido ou contexto. O texto abaixo é trecho do Livro Alfa - Um Princípio (título provisório) escrito no ano de 1998 por este amador que lhes escreve. O livro não foi publicado, mas se um dia concluir uma revisão adequada talvez possa lhe dar vida ao publicá-lo. A sinopse do livro, sendo excessivamente sucinto, trata da história de um príncipe de um povo lendário, Chamado Alfa, e que se vê  arrancadado de seu lar por um povo hostil. O que se segue é a batalha deste por toda a Grécia para reaver seu trono. A história se complica quando este descobre que os acontecimentos em seu reino estão relacionados com uma guerra nos céus que alterou a ordem do mundo. E o que era uma batalha comum por vingança se torna uma busca heróica pela ordem do mundo.


Resolvi publicar aqui este trecho por seu teor filosófico. Nesta parte o príncipe Alfa esta peregrinando em busca de respostas e encontra vários gurus exilados do mundo, cada qual com sua verdade de hermitão. Abaixo segue o diálogo do príncipe com um e tirano que perdeu a fé na civilização.



Peregrinou durante todo um dia em completa solidão, até encontrar no caminho um velho senhor que o carisma já o convidara a sentar e partilhar a presença antes mesmo de expressa-lo.  Alfa encontrando neste homem conhecimento incomum, quis ouvi-lo e sentiu-se sorteado por tantos homens diferentes em pequena viagem.  O velho falou-lhe nestes modos:
—Detenha-se por hora, recoste-se em pedra ou arbusto e ouve a minha história que poderá servir-te quando de sua velhice ao menos, assim como serviria a todos os homens sábios. Vê toda esta terra por onde se estende hoje a polis e seus arredores até onde podemos enxergar? 
—É uma região maravilhosa, de relevo privilegiado e fértil. Respondeu Alfa.
—Estas terras e muitas outras – continuou o ancião com ar solene – pertencem aos meus antepassados, que aqui chegaram trazendo civilização quando os homens promoviam guerras de sangue por motivos quaisquer e suas moradas estendiam-se dispersas por estas planícies sem sentimento de Estado, sem motivo para que crescesse entre eles a diretriz de uma civilização. Meus antepassados cederam terras a estes homens em nome da civilização, da hospitalidade. Da polis atual quase dois terços eu herdei e não houve luxo que não tenha eu desfrutado. 
—As nossas vidas assemelham-se neste ponto. Fecundidade e escassez.
—Os homens que chegavam nestas terras fixavam-se onde considerassem melhor para viver. As ásperas montanhas de pedras calcárias ocupando quase todo o território, restringiram  naturalmente a ocupação dos territórios, aproximando os homens. Os genos eram minúsculas comunidades naturais, onde se reuniam um número pequeno de famílias. Com o tempo, as famílias obrigatoriamente foram criando laços, resultando em antepassados comuns para prestarem culto a um só sangue. Logo os genos tornavam-se comunidades de sangue comum. As pequenas aldeias cresceram e conquistaram inimigos para os quais tiveram necessidade de criar um sistema de defesa.

—São as Acrópoles.
—Justamente. Nos locais mais elevados construíam a Acrópole e ao redor muralhas para dificultar as investidas inimigas. As atividades agrícolas foram substituídas por outras atividades econômicas, que atraíram elementos estrangeiros, unindo os homens ainda mais. As várias atividades propiciaram o surgimento de classes distintas. As lutas políticas sucediam-se. A solução foi criar leis para regulamentar as atividades sociais e econômicas. Os meus antepassados formaram a aristocracia regente; na crise desta, surgiu a tirania. O tirano, senhores das cidades, protetores da justiça e religião, arrastou consigo as artes diversas para uma explosão intelectual. O sangue dos meus antepassados tem raiz desde o princípio desta civilização. 
—Mas por que vieste para a montanha —coloca em questão Alfa —afim de isolar-se, se o destino reservou-te vida afável e segura? 
—Eu lhe asseguro estrangeiro a existência escura de um pacto. Há um pacto obscuro entre a alma e a sociedade. “Quanta dor há em você! Quanto sofrimento corrompe a sua alma! O seu corpo poderá suportar este vazio que há dentro de você ou não faltará muito para que desabe como um saco de carne, repleto de tripas, sem a sustentação dos ossos?” Disse-me a angústia...
—Continue, começo a entender! 
 —A angústia conduziu-me ao encontro do ser.  Dissolvido no cotidiano, de repente, senti-me estranho a minha condição. Eu não tinha vivido, mas existido até aquele momento. Eu percebi que o homem pode transcender, atribuindo um sentido ao ser, vestindo-lhe de bem e mal. “O seu corpo não consegue sacudir os alicerces? Quanta dor, quanto sofrimento!” O cotidiano, aliena o homem de sua inclinação original: a ontologia. As preocupações cotidianas, o sacrifício pelo opressivo “eles” desviaram-me de minha própria vida. Os homens vivem na sociedade atual sugando uns aos outros prostituindo a si mesmo. Acordei e percebi que os objetos que possuía afastavam-me cada vês mais de mim. Os objetos que eu adquiria me possuíam. “Eu sou capaz de aliviar sua dor. Eliminar o seu sofrimento. Eu ofereço um pacto. No início haverá um desconforto, muito do que você é hoje, deixará de existir. Haverá um momento que a sensação de liberdade dará lugar a uma sensação de mecanicidade.  Em pouco tempo a segurança nascerá. Este é o meu preço, posso aliviar a sua dor em troca de sua liberdade ou viva livre com sua angústia. Vague livre por todas as partes ou aceite minha oferta na comunidade, diz a sociedade”. Os homens ofertam a sua liberdade, em troca de segurança contra o meio, mas em especial de si, de sua fúria de movimento.  A existencialidade expressa nos atos de apropriação das coisas do mundo, o prazer de possuir.  Só a angústia desperta o ser humano e percebe que existe na frente de si mesmo, que se constrói no ato. A sua existência precede a essência.  O ser humano é único capaz de agarrar sua vida  e tornar-se o que desejar. O pacto do qual a minha alma foi adágio não o selei, mas os meus pais o fizeram. Não assinei de próprio punho este contrato, por isso, sem remorso liberto-me. A igualdade, o pecado e a vida no além segundo a dieta de conduta reta, tudo isto vi externo ao homem. O verdadeiro projeto do homem é de se construir. O homem é uma obra de arte.
—O que quer dizer com o homem é obra de arte, mais claramente.
—Pensemos na arte. Na criação artística, quando de sua realização existem dois momentos distintos, também possíveis de chama-los fases: a criação e a obra. A primeira quando de sua composição caracteriza-se por uma íntima ligação com o criador que se expressa através desta mesma, carregando-a de signos e experiências íntimas. Nesta fase podemos observar a necessidade do criador realizada somente ali quando do ato da composição. Terminada a obra de arte desvincula-se da paridade criador-criatura assumindo corpo próprio. 
—A criatura terá sempre as marcas de seu criador.
—Não. O criador permanece apenas como um nome. Inserida no tempo histórico a obra passa a desdobrar-se assumindo valores, sendo interpretada de forma às vezes até adversas da intencionalidade criadora. A meu ver o artista é o homem, que tem seu projeto na criação, expressa sem a obrigação e o laço de absolutizar sua obra. E a obra de arte é o produto deste homem liberto, a sua vida.  O projeto do homem é criar além do bem e do mal, e só os homens fortes criam com pleno prazer. 
—Sinto uma certa dificuldade no que tange a obra de arte e a criação.
—Um exemplo. Tomemos este desenho — traceja com o indicador um círculo no chão e marca-lhe o centro, o melhor que pode. — Interprete a representação.
—Bem, o ponto como interpreto, representa o homem e o círculo, o mundo que o cerca. O conjunto seria portanto, o homem fechado em si, só, como indivíduo, mas passível de compreender o universo que o cerca por si.
—Eu pensei simplesmente em uma roda de carroça. Escute atentamente. O momento que realizava o tracejado no chão, evidentemente propus-me a representar algo, este é o momento que chamei de criação. Construção e introdução de signos. Ao terminar o desenho, entendendo que o comparo aqui ao produto final de toda criação, este passa a ser interpretado de forma diversa, conforme o tempo e o entendimento, bem como experiência do observador. O homem está em relação dual com o papel de artista e interprete. Interprete, perante um mundo no qual existe aquém de sua vontade, e na qual fora inserido tendo como forma única de existir somente pela constante escolha...

—E se eu não escolher?
—...que não se furta mesmo na omissão, visto que escolhe não escolher. O ponto de construção é sua livre escolha, não há sinais no céu ou no manto dos deuses. É criador na medida que a sua atividade material e mesmo intelectual, sempre que revelada ao outro, será fruto de interpretação, muitas vezes contrária a sua intenção primeira.


Fim do trecho


Espero que os leitores não tenham ficado com a cara do coringa... 


Acrópole - De acron = cimo, e polis = cidade. As aldeias gregas, por volta de 800 a.c. cresciam, conquistando inimigos. No local mais elevado, os homens criaram seu sistema de defesa, estas eram as acrópoles. 


Polis - Assim eram chamadas as cidades-estados gregas. 


Genos - Comunidades naturais, de proporções minúsculas,anterior a polis propriamente dita. A sua população era constituída de todos aqueles pertencentes a um mesmo sangue ou as vezes raça, etnia. O tempo, faria a comunidade crescer e reunir-se cada vez com mais intensidade nestes núcleos comunitários, em busca de proteção. No início, o ponto mais alto era fortificado para que em caso de guerras, os cidadãos pudessem buscar ali proteção. Esta é a origem da Acrópole, cidade alta. Na medida que a população crescia os muros tomavam maior extensão de terra e leis tiveram que ser elaboradas para regular as relações das classes emergentes. 

DEM = corrupção

A operação Caixa de Pandora revelou a corrupção do DEM (ex-ARENA, ex-PDS, hoje PP que teve uma ruptura da qual nasceu o PFL que se metamorfoseou em DEM), essa gente da direita que sempre faz discursos moralizadores: Deus, Pátria, Família, homem de bem, etc... Pois é essa gente de bem está envolvida em outro caso de corrupção, o que para mim não é nenhuma novidade, uma vez que são neoliberais.

O governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (DEM) recebeu propina do sr. Durval Barbosa, na campanha de 2006, mas de acordo com o advogado do atual governador, esse dinheiro era destinado a obras sociais: comprar panetones para os pobres. Como esse homem é caridoso!!!

Segundo o STJ uma quantia de 400 mil reais foram entregues pelo governador a Durval Barbosa, para que este repassasse ao chefe da casa civil e para outras pessoas. Pois é, dinheiro público desviado, enquanto isso milhares de pessoas morrem por falta de remédios, por falta de médicos, etc... Quem desvia dinheiro público é pior do que um ladrão "pé de chinelo", porque rouba e mata na surdina. Parece que a direita não é nehum pouco direita quando se trata de fazer o que é certo.

O DEM tem um discurso moralizador, mas só o discurso, segundo o jornal O Estado de São Paulo: O novo escândalo abala as estruturas do Democratas (antigo PFL), refundado em 2007 para tentar aplacar a desidratação eleitoral vivida nos últimos dez anos. A bandeira da ética e da transparência é justamente um dos pilares dessa refundação.







Além do governador o deputado Leonardo (Im)Prudente(DEM) presidente da câmara legislativa do DF também recebeu o seu "agrado". E o DEM ainda fala em transparência, e ainda quer apontar o dedo sujo para o PT. (Não que eu seja petista ou lulista, longe de mim, mas é bom isso acontecer para ver que a direita é ainda mais canalha do que o PT.)

Outro deputado, esse crente, também recebeu propina em nome de Jesus. Ele recebeu mas ele reconhece perante Deus suas fraquezas, ele confessa a Jeová os seus pecados, mas ao mesmo tempo agradece a bênção que é a vida conta bancária de Durval Barbosa.

Confessar a Deus entre 4 paredes com seus comparsas companheiros, é muito fácil, e nisso tenho que reconhecer que os católicos ortodoxos e romanos estão infinitamente acima dos protestantes, que dizem não se confessar a homens, já sabemos o porquê. Deus ouvindo ou não as súplicas não vai condenar, não vai mandar reparar o erro, não vai mandar fazer penitência, etc... Então, fica assim: pede-se perdão e se é "perdoado" instantaneamente" mesmo que não esteja arrependido. Um padre por pior que seja, sabe que tem que reformar a vida do confessando, e se este lhe conta que roubou ou desviou dinheiro, o padre fará com que restitua, posto que o verdadeiro arrependimento requer a reparação da injustiça.

Quando o "crente" diz que não se confessa com homens, mas com Deus já sabemos o que o leva a tal atitude. Deus não manda restituir e nem se arrepender, o deus pentecostal é conivente com o erro dos seus filhos.



A oração

"Sabemos que somos falhos, somos imperfeitos", diz o deputado, para em seguida pedir proteção à vida de Barbosa. "Somos gratos pela vida do Durval ter sido instrumento de bênção para nossas vidas, para nossa cidade", diz Brunelli.







Oração da Propina






"Somos gratos pela vida do Durval ter sido instrumento de bênção para nossas vidas, para essa cidade, porque o Senhor contempla a questão no seu coração. Tantas são as investidas, Senhor, de homens malignos contra a vida dele. Nós precisamos da Tua cobertura e dessa Tua graça, da Tua sabedoria, de pessoas que tenham armas para nos ajudar nesta guerra. Todas as armas podem ser falhas, todos os planejamentos podem falhar, todas nossas atividades, mas o Senhor nunca falha. O Senhor tem pessoas para condicionar e levar o coração para onde o Senhor quer. A sentença é o Senhor quem determina, o parecer e o despacho é o Senhor que faz acontecer. Nós precisamos de livramento na vida do Durval, dos seus filhos, familiares." (1)

O deputado Rubens Cesar Brunelli já foi PP, DEM (tinha que ser) e hoje é (PSC). Esse é o tipo de "homens de bem" que o PP do Maluf e o DEM do Kassab produzem.

Saudades do general De Gaulle: "O Brasil não é um país sério".

Créditos: A oração foi retirada dapagina do usuário do youtube: http://www.youtube.com/user/sanderson10df

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Uma ameaça chamada Marina Silva

A ex-ministra e hoje senadora Marina Silva é criacionista confessa e seguidora da igreja Assembleia de Deus. A ex-ministra já fez do ministério uma espécie de célula da Assembléia de Deus, convidando um pastor para orar. Mas orar para quê? Por que e para quem? O fanatismo dessa gente é tão grande que eles mesmo sabendo que o estado é laico, ferem a constituição para usar o Ministério do Meio Ambiente como uma célula da Assembleia de Deus.

O pastor funcionava no gabinete da então ministra como uma espécie de capelão e sua função era orar, talvez para converter os pagãos, idólatras e ateus do ministério. Tudo bem, pode ser que a senadora tenha sido movida por boas intenções, não duvido disso, até porque como já diz a sabedoria popular: De boas intenções o inferno está cheio.

O homem de Deus foi contratado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Desenvolvimento do quê? Só se for da Assembléia de Deus. De acordo com a revista Época foi responsável por quatro eventos.Ganhou R$ 70.000 pelo último deles.

Ainda de acordo com a revista ele se aproveitava de sua posição no ministério para divulgar o criacionismo, com o dinheiro de seus impostos, com o dinheiro dos meus impostos, como o dinheiro de nossos impostos. Como pode ser isso num país que é leigo?

“Como organizador de eventos ambientais, ele é um ótimo pastor”, diz Anaelise Schüller, que foi assessora de Vieira nos últimos três anos. A falta de separação entre Igreja e Estado também está estampada em um panfleto para o encontro “O Cristão e Criação”. O telefone de contato é o da sala de Roberto Vieira no ministério. (Revista Época)

Isso é uma falta de respeito total contra a Carta Magna do país, é pisotear a Constituição e zombar do povo, pois a nação laica que é não pode privilegiar religião nenhuma, inda menos quando se trata de uma facção do protestantismo neopentecostal.

Claro que o pastor funcionário do ministério do Meio Ambiente da Assembleia de Deus foi amplamente defendido e foi transformado numa vítima da perseguição religiosa. Essa gente é muito cara de pau, fazem as suas merdas suas trapalhadas e depois posam como mártires da intolerância religiosa. É muita desfaçatez!!! Agora criticar quem comete erros propositadamente é perseguição religiosa, esses pastores fanáticos querem dominar o Estado leigo, querem se valer do Estado, repito, que é leigo, para fazer cultos e promover suas superstições e ainda por cima querem que fiquemos calados! É muita petulância!

Ainda tem gente que acha que essa mulher tem um pé no socialismo e/ou que tem um pé no materialismo histórico. Ela (Marina Silva) é o avesso da dialética materialista, assim como Marx foi o avesso de Hegel. Um protestante pentecostal jamais será socialista, ora a Marina Silva é uma protestante pentecostal, logo não é nem será socialista, não enquanto pertencer a essa organização alienadora. O protestantismo pentecostal só pode ser reacionário, capitalista, e não é preciso ser nenhum Max Weber da vida para constatar isso, pois o discurso dos pastores é o discurso da teologia da propsperidade. Em sua cosmovisão a pobreza é uma desgraça, e se a pessoa não ficou rica é porque não teve fé, ou porque quebrou um pacto com Deus. Esse protestantismo é individualista ao extremo, não está interessado em ajudar aos pobres, simplesmente porque o pobre é culpado por sua pobreza. Esse é, amigos, o mundo da "evangélica" Marina Silva. Não sei como o PT pôde tolerar uma pessoa assim em seu meio, sinal de que o PT há muito tempo já não é o mesmo. Desde que se tornou assembleiana Marina já tinha saído do PT ideologicamente falando, mas precisava da legenda para se eleger, assim como da amizade com o Lula para obter um ministério.

A revista Época ainda na mesma edição fala de outra petista Benedita da Silva, também "evangélica" que se valeu das finanças do Estado para promover sua fé. Segundo a Época: Em 2003, a ministra de Assistência e Promoção Social, e também evangélica Benedita da Silva, foi criticada por ter usado uma passagem do ministério para participar de um culto evangélico em Buenos Aires. Foi obrigada a devolver o dinheiro. “

Se essa senhora ama tanto a sua religião por que não tirou do seu bolso? O que ela fez foi um roubo um desvio, e por isso teve que devolver o dinheiro aos cofres públicos. Também Benedita da Silva de esquerda só tem a legenda porque na prática a teoria é outra.

Agora o que me deixa mais indignado é que a dona do PSOL, que tanto criticou o PT com seu discurso moralista, quer apoiar uma candidata da burguesia. Se a Heloísa Helena fizer isso, vai mostrar para que veio, vai mostrar que é carreirista, hipócrita, enfim maquiavélica. E se fizer isso, ela que não me venha dizer que é socialista, marxista, etc...

Fico verdadeiramente assustado com a remota possibilidade de que Marina Silva consiga se eleger en que transforme nosso Estado laico num Estado teocrático da pior espécie. Se apenas sendo ministra teve a ousadia de colocar um pastor como funcionário do ministério, o que não há de fazer caso seja eleita? Colocará o Silas Malafaia como ministro da educação? Colocará o Marcelo Crivella como ministro da fazenda?

O único modo de evitar que essas minhas especulações e pesadelos se tornem realidade é não votar nessa senhora em 2010.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Ganhamos mais um selo


Logo o Diário de um Bobo da Corte vai se tornar um blog filatelista, brincadeirinha. Pessoal ganhamos mais um selo de qualidade do blogueiro Carlos H. Barth, dono do blog Leite com Manga Faz Mal.


Ele elogiou a equipe deste blog, e este selo não é só meu, mas também pertence ao Domingos, Ravick e ao Chris.


Caros amigos e colaboradores, muito obrigado, sem a ajuda de vocês este blog não teria a riqueza e a diversidade cultural que tem.
E o muito obrigado ao Carlos pela apreciação e pelo belo presente.

Minha resposta ao amigo Chris acerca do Batman

Li com vivo interesse seu artigo sobre o homem morcego, intitulado O mito da criatividade -70 anos de Batman. Creio que o Batman é um herói que rema contra a maré, um herói contracultural, um herói que vai contra o senso comum. Talvez seja por esse aspecto que seja tão admirado e lido.

Eu mesmo fui leitor de Batman em minha adolescência e já na idade adulta, e vou lhe dizer uma coisa Chris, aprendi muito lendo os Hqs do Batman. Mas o que me prendia a leitura do Batman não era propriamente o protagonista, mas os vilões como você pode ler o meu artigo que escrevi aqui no Diário de um Bobo da Corte.

Batman é um sujeito fictício mas teve grande influência no mundo real, e foi perseguido por um psiquiatra obcecado, como se fosse uma pessoal real. É interessante notar como Batman exerceu uma influência no mundo real mesmo sendo fictício. E mesmo sendo fictício foi obrigado a se adaptar graças aos caprichos de uma pessoa real que o odiava. Todo mundo pensa que o maior e o mais perigoso inimigo do homem morcego é o Coringa, mas não é verdade, o inimigo mais poderoso do Batman não se encontra nos quadrinhos, mas na história dos EUA. O maior inimigo do Batman foi o Dr. Wertham, caso lhe interesse, você pode ler mais sobre esse caso aqui.

Então caro Chris, como você pôde notar o Bobo também é fã do Batman e do seu mundo e você não precisa ter receios de abordar este ou quaisquer outros assuntos que lhe interessem, pois sei que é uma pessoa inteligente, culta e uma das poucas pessoas donas dos melhores insights.