sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Professor de matemática dá aula de criminalidade

Saiu hoje no jornal A Tribuna que um professor de matemática da Escola Estadual João Octávio dos Santos, no Morro do São Bento em Santos lecionou matemática usando como exemplo o tráfico de drogas, prostituição e porte ilegal de armas.

Fico me perguntando o que leva um professor que é funcionário público, pago pelo estado (tudo bem que o salário não é lá grandes coisas) com o dinheiro dos impostos do povo a incitar a criminalidade em filhos de trabalhadores. Por que fez isso? Por se tratar de uma área carente? Por ser uma escola estadual? Por não acreditar no potencial de seus alunos? Será que lecionaria do mesmo modo numa escola particular de elite?

Esse caso só vem mostrar como está baixa a qualidade do ensino público em São Paulo e por conseguinte em todo o Brasil. Mas isso é culpa tão somente desse mau caráter que foi colocado em sala de aula? Evidente que não. Com baixos salários, com violência por parte de certos alunos, com burocracia, sem plano de carreira, sem cursos de reciclagem e massacrados por seus superiores, os melhores professores tendem a sair da rede pública e migrar para as escolas particulares ou procuram fazer mestrado e doutorado para que possam lecionar em faculdades ou prestam concursos públicos para outras áreas que ganham mais e se estressam menos.

Se o governador desse aumento de salário digno para os professores, se proporcionasse cursos de capacitação reciclagem os bons professores não precisariam migrar para redes privadas ou para outros empregos do funcionalismo público. Os maiores prejudicados são os pais dos alunos que não podem pagar por um ensino de qualidade.

Pergunta que fica no ar: Esse é um caso isolado ou é apenas a ponta do iceberg? Jamais saberíamos desse caso se uma das alunas desse educador professor não mostrasse o caderno aos pais denunciando esse péssimo profissional.

Não menos culpados por essa situação são os pais que não sabem votar, pois caso soubessem votar não deixariam o estado de São Paulo na mesmice do PSDB que já está há dezesseis anos no poder sem dar a merecida valorização ao profissional da educação.

Com a valorização do educador, os maus profissionais não terão chances de exercer tão nobre profissão que é o ato de lecionar. Todas as desgraças que ocorrem no ensino público são apenas o efeito da política desastrosa do governo e da assembleia legislativa. Enquanto o povo não se conscientizar que educação é um ato político, o ensino continuará a ser o que é: lixo! Não quero dizer que não haja bons professores nas redes públicas de ensino, sim há, mas são poucos e cada vez menos por causa das condições humilhantes a que são submetidos.

Se os professores fossem valorizados teríamos um sujeito desses pervertendo nossos jovens?

Em tempo:
Assista a reportagem clicando aqui.

Um comentário:

Uma PROFESSORA apaixonada.... disse...

Uma única palavra para essa atitude: revolta!
Sem palavras....