terça-feira, 23 de dezembro de 2014

O mundo assombrado pelos demônios - uma resenha




Acabei de ler o mundo assombrado pelos demônios de Carl Sagan mais do que um livro de divulgação científica, este livro é uma conversa amigável com o leitor que não pretende ensinar ciência. O objetivo de Sagan é ensinar o ceticismo, não o ceticismo pelo ceticismo, mas o ceticismo saudável que nos ensina a duvidar daquilo que não apresenta evidências. O autor nos ensina a duvidar das autoridades e ensina-nos que em ciência não existem autoridades apenas especialistas.

Carl Sagan nos ensina que mais importante que a tecnologia e os avanços e os benefícios que a ciência nos traz é ensinar o método científico para as pessoas é ensinar as pessoas a raciocinarem de modo racional.

Carl Sagan inicia o livro falando da feira de ciência que participou em Nova York em 1939 e como aquilo o mudou e de como passou a interessar-se pela ciência se bem que na escola ele não teve esse estímulo.

Ele fala que o senso comum acaba por confundir ciência com a pseudociência e ele fala do sr. Buckle um motorista que foi contratado para buscá-lo para uma entrevista televisiva e quando o motorista soube que ele era o afamado cientista Carl Sagan começou a perguntar-lhe sobre aquilo que ele considerava como ciência: deuses astronautas, cristais, Atlântida e outras coisas mais. Ao negar tudo isso, Sagan o decepcionou porque o motorista não queria a verdade mas crer naquelas coisas que eram confortáveis para ele e que lhe foi ensinado como ciência genuína mas no entanto não era.

Sagan fala do Dragão em minha garagem, de pessoas que desejam impor sua visão de mundo sem apresentar evidências de que aquilo que dizem é verdadeiro e não meramente uma crença.

Em vários capítulos ele aborda a questão dos UFOS e a questão dos "raptos" por alienígenas e ao longo dos capítulos ele vai desconstruindo esses mitos.

Sagan disse que em questões de pseudociências como a parapsicologia até um cientista pode ser enganado por charlatões visto que as pessoas podem ser desonestas e os cientistas lidam com fenômenos da natureza e a natureza sempre é honesta e os charlatões nunca o são então nestes casos é melhor mesmo um mágico experimentado como James Randi para desmascarar médiuns e outros charlatões.

Ainda no livro Sagan fala da importância da edcação e de como os EUA tem caído no quesito educação, porque nesse país os jovens são desestimulados a estudar pelos próprios colegas e quando um jovem estuda ele recebe os apelidos pejorativos de geek, nerd entre outros. O legal - segundo esses jovens - é ser descolado, sensual.

Sagan apresenta diversas correspondências de seus missivistas sobre suas opiniões sobre a educação.

Num capítulo Sagan falava sobre o negro Fredericl Bailey que mais tarde trocou seu nome para Frederick Douglass, e mostra como a sua educação mudou sua visão de mundo de modo que este ex-escravo tornou-se um orador e abolicionista.

Sagan também mostra como o fanatismo é perigoso para toda a sociedade e nos últimos dois capítulos ele fala como o ceticismo é importante até para a democracia. Enfim é um livro imprescindível.

2 comentários:

Carlos Seino disse...

Realmente, um livro excelente!

eduardo disse...

Recomendo este livro a todos que tenha a vontade de sair da escuridão