quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Jesus liberta?

Se há um tipo de pessoas que detesto são os fanáticos, eles não vivem e não querem deixar os outros viverem. Na escola onde trabalhei este ano, há uma professora de língua portuguesa, crente fanática. É daquelas pessoas que se você dá uma brecha já querem lhe fazer engolir a Bíblia.

Outro dia falei que Freud me libertou, mas não só Freud, mas também Darwin e Marx. Ao passo que ela retrucou: "Que só Jesus liberta". A partir dessa frase analisemos o discurso dos fanáticos e indaguemos:
Mas Jesus nos liberta do quê?

Esses que se dizem libertos são escravos da moral judaica, são escravos do livro e de doutrinas inventadas. Se Jesus liberta por que não começou libertando esses crentes fanáticos de sua ignorância?

Dizem que Jesus liberta, mas liberta do quê? Por que ele não liberta do fanatismo, do obscurantismo e do vício de querer se intrometer em conversas alheias para falar da Bíblia? Porque quando se trata de infernizar as vidas alheias, eles não dão trégua. São condicionados de tal maneira que veem o diabo em tudo  e em todos, gostam de julgar as pessoas, adoram falar mal dos outros, cantam hinos sem que alguém os peça, e em caso de professores pentecostais fazem alunos da escolas pública a orarem.

É engraçado que esses pregadores ambulantes que gritam aos quatro ventos que Jesus liberta são hipócritas, medrosos, individualistas, etc... Esses fundamentalistas que foram "libertos" por Jesus, guardam muitos preconceitos em relação à Darwín, Marx e Freud. Se Jesus os tivesse libertados não teriam medo das pesquisas científicas; Se Jesus os tivesse libertado não usariam vestidos ou saia; Se Jesus os tivesse libertado não seriam proibidos de ler certos livros, não seriam proibidos de ouvir músicas de gente normal.

Gozado como esse Jesus liberta, ele liberta escravizando o homem. E essa escravidão os fanáticos chamam de liberdade.

Se Jesus libertasse, eu lhe pediria que libertasse a sociedade desses doentes que aspiram à tirania.

3 comentários:

quandoescrevo disse...

E me chamam de anticlerical, atéia, promotora da discórdia, anti-cristã quando faço estes questionamentos! Bom pra quem conhece o que liberta dessas babaquices!
rs

Uma PROFESSORA apaixonada.... disse...

Sou contra qualquer tipo de fanatismo, não suporto.
Ninguém tem o direito de julgar o outro, ninguém.
Cada qual com a sua fé, sua crença, mas deixe os outros pensarem por si e respeitar esses pensamentos... Não me venha querer me converter, fico fula da vida!

Gonçalves disse...

A resposta é sim. Você destacou de forma objetiva um grupo de pessoas que a própria Bíblia, que muitos deles carregam mas não a conhecem, chama de falsos cristãos e falsos profetas. É muito bom ver que vc consegue raciocinar de forma coerente, e tem realmente razão no seu ponto de vista, pois o próprio Jesus disse: "Vigiai-vos dos falsos profetas que se chegam a vós em pele de ovelha, mas que por dentro são lobos vorazes." Mateus 7:15. Ele também informou que haveria apenas um único grupo de cristãos que seriam seus verdadeiros discípulos; hoje existem talvez milhares de doutrinas professas cristãs; e agora, quem é a verdadeira? Vc que é amigo do conhecimento, tem interesse em obter respostas a este respeito? Eu me disponibilizo a respondê-lo. E não se trata de querer converter ninguém, pois Deus se alegra de adoradores conscientes, pensantes e livres; e não de fanáticos de mente atrofiada. Dois pensantes + diálogo = oportunidade de evolução mental. Sua resposta é não, e como muitos dizem: "já tenho minha fé"; lamento, mas acorrentou o cérebro com aquilo que bem ou mal lhe ofereceram e fechou a porta para novas possibilidades de descobertas. E então, se vc não se libertar, não abrir sua mente, não querer nem ao menos ouvir e perguntar, nem mesmo o próprio Jesus vai querer liberta-lo.