segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Em torno de um vídeo - Catolicismo vs Capitalismo (Youtube) II

Foi quando uma lamentável questão de semântica ou de palavras veio a baralhar a questão e semear a amargura e a discórdia entre os Cristãos.

Para compreende-la em seus devidos termos consideremos antes de tudo que a Igreja iniciou sua trajetória sendo perseguida pelo Império romano, e devido a questões de fundo social como a escravidão. Posteriormente o papado romano envolveu-se noutro conflito, desta vez com o Império. Por fim a reforma protestante, da mesma maneira, serviu-se do poder político ou da espada secular com o objetivo de prostrar a igreja... Isto sem falar-mos da Revolução Francesa. Politiqueira até certo ponto a igreja romana, concorria com o estado e receava dele. Temos aqui uma situação de desconfiança que chega a ser traumática.

Outra no entanto, e certamente nova, era a natureza do liberalismo econômico, sendo até provável que ao menos a princípio este novo adversário do poder estatal gozasse de boa estima, ao menos face a certas parcelas da igreja. Afinal ele pretendia fragilizar o poder político de um estado que no mais das vezes estava disposto a pilhar a igreja. Um modelo de estado tradicional controlado por positivistas não é o que a igreja sonhava e ela sequer podia saber o que se achava por trás do véu... A igreja não soube avaliar devidamente o significado do Capitalismo quando este fez sua aparição nas sociedades ocidentais, e por isso demorou a decidir-se sobre a possibilidade ou necessidade de uma intervenção direta do poder político no plano da economia. Mesmo quando Leão XIII chega a esta conclusão, há todo um tom de melancolia. Afinal os socialistas já o vinham dizendo há mais de meio século e sob a perspectiva naturalista... Foi duro para o papado ter de concordar com os socialistas, e atingir o liberalismo em seu coração pelo simples fato de questionar o dogma não intervencionista da auto regulação. O deus mercado fora afrontado pela igreja antiga se bem que com cinquenta anos de atraso.

Diante disto os socialistas não pouparam críticas a igreja, comparando-a a uma lesma e alegando que perdera o trem da História. Por uma questão de defesa, ainda que irracional, os socialismos naturalistas fizeram-se ainda mais anti religiosos ou anti católicos. Apesar disto alguns Católicos sempre se haviam apresentado como socialistas. Alias a batalha do nome também separava os comunistas dos socialistas ou sociais democratas e Lênin acabará de proscrever o nome que mais tarde seria reabilitado por Stalin. Maurras também havia sido excomungado e seu projeto político condenado. Pio XI por fim condena o emprego do termo socialista por parte dos Católicos.

Fe-lo, julgamos nós, um tanto precipitadamente, e talvez acreditando, sinceramente, como Keynes ou Giddens, numa possível terceira via não alinhada. Claro que existe uma terceira via ou uma outra opção caso consideremos os extremos do Capitalismo e do Comunismo, isto no âmbito da política e esta terceira via é o próprio Socialismo na medida em que repudia o totalitarismo representado pela doutrina da ditadura do proletariado, o que vem a comprometer também o ideal draconiano da Revolução nos termos Sorel/Lênin e a acenar com soluções democráticas, as assim chamadas reformas. A bem da verdade até mesmo os fins aqui são diferenciados uma vez que o comunismo visa a implementação de uma igualdade absoluta enquanto que os socialismos visam a implementação de uma igualdade relativa em termos de oportunidades (M Bakhunin). Os socialismos também se mostram flexíveis quanto a causa formal do Capitalismo que é o regime assalariado decorrente da posse privada dos meios de produção.

Outra coisa porém é querer encontrar um meio termo entre o liberalismo econômico e o socialismo. Aqui julgamos que toda e qualquer tentativa seja um tanto forçada. E que não haja por assim dizer meio termo, isto a luz da definição de capitalismo ou liberalismo fornecida pelos principais teóricos liberais. O quanto podemos dizer aqui é que o socialismo Cristão e Católico, cujos fundamentos são éticos, seja anterior a todos os demais exemplos ainda existentes. Poderíamos sem receio identifica-los com os 'socialismos religiosos' ou sagrados da antiguidade elencados por Ozanam em sua Carta (Carta sobre o socialismo), inda que haja ali um elemento novo, que é a liberdade pessoal. Esta porém jamais se opôs ou poderia opor-se a ação da comunidade sobre a esfera da atividade econômica, a qual também é humana. Não é sem razão que Max Beer na sua História do socialismo, cita a Urukagina como primeiro reformador social. Na medida em que Leão XIII não só reconhece como até estimula a intervenção do político na esfera da economia, temos a negação peremptória do liberalismo econômico e do princípio do livre mercado que auto regula a si mesmo. Do ponto de vista do liberalismo clássico e puro keynesianismo, bem estar social e doutrina social da igreja são formas de intervenção social e portanto formas de socialismo.

Os Católicos conscientes escolheram outras tantas palavras e expressões - cooperativismo, distributivismo, trabalhismo, fraternalismo, personalismo, solidarismo, etc para apresentar basicamente os mesmos princípios, do bem comum e da intervenção social, sem terem de empregar o termo socialista. O resultado desta batalha semântica foi uma dispersão de forças, enfiando-se cada Católico no seu clubinho, ao invés de terem juntado forças contra o inimigo comum. Outros dando a mais absoluta prova de má fé, desonestidade e mal caratismo deduziram, da condenação do Comunismo e do Socialismo, que a igreja, NÃO COGITANDO EM OFERECER ALGO DE PRÓPRIO (Como a doutrina social), aliava-se ao liberalismo econômico e ainda hoje há gente safada que assim pense!

Por mais que a igreja tenha se esforçado por vindicar a liberdade pessoal e seu resultado, que é a propriedade pessoal não é menos verdade que jamais reconheceu o dogma falso e monstruoso da auto regulação ou o ideal economicista de uma economia irredutível a Ética. A Igreja numa perspectiva humanista e anti economicista sempre afirmou o primado da ética face a qualquer atividade humana e esta foi talvez sua marca distintiva face a ideologia rival, o positivismo, cuja renúncia a ética foi catastrófica.

Destarte por que não condenou a igreja o Capitalismo ou o Liberalismo econômico juntamente com o Comunismo e o Socialismos naturalistas?

Eis a pergunta que se impõem. Afinal os Católicos de fancaria a partir daí, concluíram pela veracidade do Capitalismo.

Tentaremos responder a esta pergunta partindo do ponto de vista segundo o qual não é o Capitalismo um fenômeno simples, como queria K Marx, mas um fenômeno bastante complexo, como queria Werner Sombart o primeiro a opôr ou melhor a sobrepor ao conceito de estrutura, o conceito de Geist ou de um espírito do Capitalismo, claro que ele desenvolve um conceito de Weber. O Capitalismo não é apenas uma estrutura ou uma forma de organização material, é algo a mais ou mais além. Tem uma alma, um espírito, uma ideologia... já foi imaterial antes de encarnar-se na Sociedade graças aos préstimos do protestantismo.

Tentemos compreender isto, tomando para tanto o esquema imaginado pelo Pe Julio Menvielle com base nas causas de Aristóteles. Esquema que alteraremos por discordar do douto padre.

Quatro são as causas alistadas pelo Filósofo: Causa eficiente, Causa material, Causa formal e causa final; assim em: 'Fídias, com mármore, fez uma estátua para o rei.', temos -

Fídias = C Eficiente, aquele que executa a ação.
Mármore= C Material
Estátua= C Formal, que dá forma ao ser.
Rei = C Final

Tomemos agora o Capitalismo e submeta-mo-lo a mesma análise -

Qual sua causa material?

Como todo fenômeno econômico propriamente dito a produção e distribuição de bens.

Até aqui nada demais, afinal a igreja não condena a simples atividade econômica ou qualquer outra atividade humana.

Qual sua causa formal?

Aqui concordamos com Marx - A posse privada dos meios de produção associada ao regime assalariado.

Que pensar a respeito?

Marx tem para si que a posse privada dos meios de produção esteja ela mesma na raiz do mal, assim o regime assalariado, os quais devem ser substituídos pela posse comum ou coletiva dos meios de produção.

De fato o pensamento Católico acha-se mais próximo de formas comuns ou coletivas de administração, a exemplo das corporações medievais. Assim da posse comunal da terra a exemplo dos egidos mexicanos... Em todo caso a posse da terra deve sempre estar relacionada com o uso pessoal que dela se faz. O que de imediato põem sob suspeição o modelo assalariado, o qual é no mínimo precário.

Agora devemos compreender que essa forma de relação econômica impos-se a quase meio milênio alastrando-se por todo Ocidente. De modo que não conseguiríamos aboli-la sem dar início a uma catástrofe cósmica, e verter rios de sangue. O que nos leva a indagar em que medida um tal regime possa ser revisto a ponto de satisfazer as exigências básica da justiça.

Temos portanto diante de nós um regime que sem ser intrisecamente mal, quiçá possa tornar-se menos permeável face a injustiça.

Por isso a igreja, ao contrário de Marx, não pode condenar a forma do Capitalismo ou o regime assalariado como absolutamente mal, de modo que não possa ser ajustado segundo as condições da justiça.

Daí a insistência da igreja a respeito do salário família, da participação nos lucros e numa legislação que proteja o trabalhador, condições em que, o regime assalariado, seria tolerável. Ao menos enquanto tentamos viabilizar e implementar outras posses mais elevadas de posse.


Passemos agora a terceira causa que é a causa eficiente imediata do Capitalismo, uma vez que a causa imediata não exclui outras tantas que sejam mais profundas ou mediatas.

Por causa eficiente do Capitalismo temos, segundo o Papa Leão XIII em Rerum Novarum - A ambição desmedida, a cobiça insaciável ou a avareza. O desejo de acumular bens neste mundo por assim dizer, ilimitadamente. A tendência a amealhar e juntar. Tudo quanto a igreja sempre encarou como pecado. Aqui temos o primeiro impulso ou motor do Capitalismo, o geist ou o espírito de Sombart e sabemos muito bem ter sido condenado pela ética Cristã, afinal - NÃO SE PODE SERVIR A DOIS SENHORES, A DEUS E AO DINHEIRO, e... NÃO JUNTEIS BENS NESTE MUNDO ONDE A TRAÇA DEVORA E A FERRUGEM COME, MAS JUNTAI BENS NO MUNDO CELESTIAL!


Tais os pobres em espírito, que não tem apego, e que portanto não buscam acumular ilimitadamente fazendo fortuna sobre a terra!

Assim se a forma do Capitalismo ou sua estrutura, é relativamente suportável ou tolerável na medida em que se submete as exigências da doutrina social da igreja - e em última análise a um controle ético exercido pela Sociedade - assumindo um certo aspecto humanista, o espírito, a ideia ou o éthos que o faz crescer e lutar esta radical e irremissivelmente condenado pela lei de Jesus Cristo, que é o Evangelho e pela tradição eclesiástica. Disto resulta que o dogma ou preceito da auto regulação ou da não intervenção seja inaceitável aos olhos do bom Católico.

Enfim não se pode ser Católico e liberal economicista ou capitalista ao mesmo tempo. Do contrário a simples existência de uma doutrina social bastaria para evidenciar a idiotice da Igreja Católica quando evidencia sua genialidade ímpar. E o protestantismo, que não possuí qualquer doutrina social, estaria na dianteira. Agora, se existe uma doutrina social é evidente que o liberalismo econômico labora em erro e com ele o protestantismo, o qual historicamente concedeu-lhe espaço ao retirar-se do mundo material para as nuvens na medida em que afirmava um ideal mágico de salvação, desvinculado do outro e da Ética.






Nenhum comentário: